conteúdo
Notícias
05/01/2017

Prefeitura recoloca placas de identificação na beira-mar


Estruturam foram danificas após depredação



A Prefeitura de Capão da Canoa, por meio da Secretaria de Turismo, Indústria e Comércio, colocou novamente placas que identificam cinco zonas de surf, oito de pesca e cinco áreas de escape, espaço de 200 metros onde circulam surfistas e pescadores. A extensão onde foi realizado o trabalho compreende a praia do município e dos distritos, num total de 17 quilômetros, mapeados pela EMATER. O motivo foi o sumiço das antigas placas, que gerou um boletim de ocorrência.

A primeira licitação feita não agrupa toda a necessidade, que hoje totaliza 60 postes e 80 placas. No posto 6, em Capão Novo, quatro placas sumiram e três postes foram arrancados, com visíveis sinais de furto, vandalismo e depredação do patrimônio público.

A diretora do departamento de Indústria e Comércio, Carina Pereira Bitencourt Diniz afirma que o gasto é grande e que a ausência de placas prejudica quem frequenta a beira-mar. “Apesar do desfalque imediato, já estamos tomando as providências legais e organizando as requisições de despesas”, afirma Carina Diniz.

Para a veranista, Maria Conceição da Rosa, 63 anos, moradora de Novo Hamburgo, é absolutamente necessária a plena divulgação e identificação das áreas onde se pode pescar e surfar. “Passo o verão em Capão da Canoa há 22 anos e já presenciei acidentes onde surfistas ficaram enrolados em redes de pesca, por isso é fundamental mostrar exatamente onde e o que pode se fazer”, enfatiza.

Um caso semelhante de extravio de placas de identificação aconteceu em 2014. O período de pesca com rede é proibido de 15 dezembro a 15 de março, por se tratar da época de veraneio. 




Créditos: Bernardo Zamperetti/Imprensa PMCC


Acessibilidade


Para navegação via teclado,
utilize a combinação
ALT + TECLA DE ATALHO